twitter dedetização  
 
dedetizadora
ibaraki
dedetização
desratização
descupinização
desentupimento
pragas urbanas
contato
   
  Escorpião
 

Um Predador Eficiente

Os escorpiões são assustadores por seu aspecto de lutador, com uma armadura resistente e armas poderosas. Realmente, eles têm se mostrado muito competentes na grande batalha da sobrevivência, ocupando seu espaço de predadores com eficiência.

Uma das características mais visíveis responsáveis por isso é a postura, bem típica, desses animais. Com o pós-abdome curvado para cima e palpos dirigidos para frente, os escorpiões estão sempre prontos para atacar e se proteger, quando movimenta o ferrão apontado para frente de um lado para o outro. Eles se locomovem lentamente, apesar de alguns poderem se deslocar com velocidade, como é o caso do escorpião-preto (Bothriurus araguayae). Em repouso, as pernas são recolhidas e o corpo se mantém apoiado no chão (inclusive o pós-abdome). Escorpiões-marrons (Tityus bahienses) podem também se prender no teto de seus esconderijos.

Por muito tempo acreditou-se que esses animais fossem de hábitos noturnos. O que vem sendo descrito, porém, é uma variação no ritmo de atividade, que pode ser tanto diurna quanto noturna, esta última em maior proporção na maioria dos casos.

A dieta dos escorpiões varia entre as espécies e está relacionada a características como: tamanho do indivíduo, quantidade de alimento disponível no ambiente, tamanho da presa, entre outras.

De maneira geral, a dieta é formada por invertebrados, como insetos e outros aracnídeos. Os escorpiões amarelo e marrom, assim como outras espécies que vivem em meio urbano, alimentam-se principalmente com aranhas, baratas, grilos e outros pequenos invertebrados. Também é usual alimentação com outros escorpiões quando há falta de alimento, disputa por uma presa ou indivíduos muito vulneráveis, como, por exemplo, aqueles em processo de muda, incapazes de se defenderem. Canibalismo é comum, principalmente nas fêmeas, que podem comer seus parceiros após a cópula ou até mesmo seus filhotes. Apesar de soar terrível, o canibalismo é importante para o controle populacional.

A presa é localizada pelos tricobótria (cerdas sensoriais) dos pedipalpos ou por vibrações do substrato sentidas por outros órgãos sensoriais. Assim que encontrada, ela é agarrada com as pinças e levada às quelíceras. Para economia de energia, somente se há resistência usa-se o ferrão com veneno para a paralisia, mas existem escorpiões que nunca picam suas presas.

A digestão se inicia fora do corpo, com a secreção de suco gástrico no alimento enquanto ele é triturado pelas quelíceras. Lentamente, a presa vai sendo ingerida e sua digestão prossegue no intestino. Uma vez bem alimentados, escorpiões podem rejeitar alimento por vários dias (30 para o escorpião-marrom). A resistência ao jejum é também impressionante: fêmeas de escorpião-marrom (Tityus bahienses) já sobreviveram até 6 meses sem alimento, mas o “record” foi registrado para uma fêmea de escorpião amarelo europeu (Buthus occitanus), que sobreviveu em laboratório 1084 dias somente com água.

A necessidade de água e a resistência a sua falta variam entre as espécies e em diferentes condições físicas do ambiente. Animais de regiões áridas desenvolveram técnicas de armazenamento e aproveitamento de água e podem, portanto, passar longos períodos sem hidratar-se.

Escorpiões vivem escondidos sob pedras, troncos, dentro de bromélias, enterrados no solo de florestas ou na areia de desertos para regulação de microclima. Em ambiente urbano, para onde vão em busca da abundancia de alimento, principalmente de baratas, eles podem viver em entulhos, no meio de roupas, em batentes e tacos soltos, em terrenos abandonados ou mal cuidados, em pilhas de tijolos ou telha etc.

Em meio natural, esses aracnídeos exercem funções muito importantes na cadeia trófica. Eles são alimento para diversos animais, como aranhas, formigas, outros escorpiões, sapos, lagartos, aves (corujas, seriemas, galinhas) e mamíferos (ratos, musaranhos, quatis e primatas).

Entre as características comportamentais peculiares de algumas espécies estão a estridulação e a catalepsia.

Estridulação: é realizada pelo atrito entre partes do corpo, que produz som. Nos gêneros Pandinus e Heterometrus, os indivíduos esfregam os pedipalpos com pernas, por exemplo. O escorpião dourado de Israel (Scorpio maurus) produz som ao bater rapidamente a metade posterior do pós-abdome no chão.

Catalepsia: é a imobilização do corpo para simular uma morte. Alguns escorpiões podem ficar horas de barriga pra cima em uma situação de perigo. Em escorpiões-marrons (Tityus bahienses), foi registrado um período de 13 minutos em imobilidade. Este comportamento pode ser caracterizado como uma estratégia de defesa.