twitter dedetização  
 
dedetizadora
ibaraki
dedetização
desratização
descupinização
desentupimento
pragas urbanas
contato
   
  Percevejo
 

Percevejos Mais Conhecidos

Uma maneira prática de se identificar as várias categorias de hemípteros pode ser obtida através das seguintes características:

Hemipteros fitófagos:

Apresentam aparelho bucal formando por quatro segmentos em um ângulo de 90º com o eixo longitudinal do corpo, o qual sempre ultrapassa o primeiro par de patas, atingindo o abdome. Não possuem o sulco estridulatório e apresentam grande importância na entomologia agrícola. Muitos dos percevejos fitófagos são classificados como pragas, já que se alimentam de culturas agrícolas importantes e são capazes de causar grandes danos econômicos. Entre eles, podemos destacar o percevejo-castanho (Scaptocoris castanea), que ataca as culturas da alfafa, algodão, amendoim, banana, berinjela, citros, girassol, pêssego e gramíneas; o percevejo-do-milho (Leptoglossus zonatus); o percevejo-do-tomate (Phthia picta) e o conhecido percevejo-verde (Nezara viridula), que ataca as culturas de alfafa, algodão, feijão, melancia, melão, pepino, abóbora, milho, soja e tomateiro, só para citar alguns exemplos.

 
 

Hemípteros predadores e hematófagos:

Apresentam aparelho bucal não ultrapassando o primeiro par de patas e, quando não está sendo utilizado, permanece repousando a extremidade distal no sulco estridulatório. Se esse aparelho bucal é curvo, trata-se de um predador (maioria das subfamílias de Reduviidae), e se é reto, de um triatomíneo hematófago, ou seja, triatomíneos transmissores do Trypanosoma cruzi.

 
Esquema comparativo de aparelho bucal em hemípteros fitófagos (A), predador (B) e hematófago (C).
 

Subfamília Triatominae

Como sabemos, triatomíneos são os hemípteros hematófagos que transmitem o T. cruzi. Pertencem à família Reduviidae e apresentam as seguintes características:

- cabeça alongada e mais ou menos em forma de fuso;
- pescoço nítido unindo a cabeça ao tórax;
- aparelho bucal reto e composto de três segmentos, com a extremidade distal repousando no sulco estridulatório, com exceção de alguns gêneros.

A subfamília Triatominae é constituída por cinco tribos, nas quais estão distribuídos 14 gêneros e 118 espécies. Quase todos os triatomíneos são exclusivos do continente americano, distribuindo-se desde os EUA até a Argentina. Dentre os gêneros de maior importância epidemiológica, três se destacam e são facilmente identificáveis:

Panstrongylus: cabeça robusta, curta com relação ao tórax e subtriangular; antenas implantadas próximas aos olhos;

Triatoma: cabeça alongada e antenas implantadas num ponto médio entre os olhos e o clípeo (extremidade anterior da cabeça)

Rhodnius: cabeça alongada e delgada; antenas implantadas bem próximo ao clípeo

Principais espécies de Triatominae

Triatoma infestans

Esta espécie apresenta tamanho médio, variando o comprimento de 21-26 mm no macho de 26-29 mm na fêmea. Possui cor geral negra ou marrom-escuro com marcações amarelo-pálido no cório, conexivo e patas. É uma espécie predominantemente domiciliar, colonizando-se em grande quantidade nas frestas das paredes de barro e pau-a-pique. É menos freqüente no peridomicílio (galinheiros). Esta espécie é original da Bolívia, único país onde pode ser encontrado no ambiente silvestre em associação com roedores. Nas áreas onde não é combatido pode apresentar infestações em altíssimas densidades, o que conferiu-lhe o título de espécie mais importante no Brasil.

 
 

Panstrongylus megistus

É uma espécie grande: os machos medem de 26- 34 mm e as fêmeas de 29-38 mm. Apresenta cor geral negra com manhas vermelhas ou avermelhadas no pescoço, pronoto, escutelo, cório e conexivo. A cabeça e as patas são negras, e o abdome é negro com manchas vermelhas do conexivo atingindo a margem posterior dos segmentos. É uma espécie de grande importância na transmissão da doença de Chagas ao homem no Brasil, sem, no entanto, produzir colônias tão grandes como as de T. infestans. Também tem grande importância histórica, uma vez que foi dissecando um exemplar desta espécie que Carlos Chagas verificou pela primeira vez a presença de T. cruzi em barbeiros, fechando assim o ciclo da doença de Chagas.

Rhodnius neglectus

Esta espécie é de porte médio, medindo os machos de 17-19 mm, e as fêmeas de 18-21 mm. Apresentam cor geral marrom-claro, com manchas marrom na cabeça, pronoto, escutelo, cório e conexivo; áreas amareladas no conexivo, coxas, e ventralmente no abdome. A cabeça é muito alongada, maior que o comprimento do pronoto, e com uma elevação na linha mediana de sua superficie dorsal É uma espécie silvestre que habita diversos ninhos de animais em palmeiras (macaúba, buriti e babaçu, entre outras). Ultimamente, tem sido encontrada colonizando galinheiros e pombais e, às vezes, invadindo domicílios, indicando uma tendência à adaptação às habitações humanas.

Família Cimicidae

A família Cimicidae compreende seis subfamílias, das quais apenas a Cimicinae possui espécies de interesse médico. O gênero mais importante é o Cimex, com várias espécies, sendo que duas são ectoparasitos humanos: C. lectularius e C. hemipterus.

Cimex lectularius - são percevejos pequenos (cerca de 5 mm de comprimento); apresentam cor cinza-amarronzada. É encontrado em todo o mundo, tanto nas zonas temperadas como tropicais. Pode ser capturado em casas (camas ou abrigos de morcegos) e galinheiros.

Cimex hemipterus - são percevejos um pouco maiores que a espécie anterior (cerca de 6,5 mm de comprimento) . Possuem a mesma cor. O diagnóstico diferencial entre essas duas espécies é feito pela morfologia do protórax e das cerdas nele presentes:

C. hemipterus: protórax duas vezes mais largo do que alto e cerdas lisas;

C. lectularius: protórax quatro vezes mais largo do que alto e cerdas com rebarbas em um dos lados.

Essa última espécie é mais encontrada nas regiões tropicais do globo. Também pode ser capturada em casas (camas ou abrigos de morcegos) e galinheiros. Parece mesmo que os morcegos sejam hospedeiros importantes do gênero Cimex, uma vez que neles são encontradas numerosas espécies desse inseto. Morcegos frugívoros e insetívoros urbanos estão sendo incriminados como disseminadores ou fontes de infestação de surtos recentes de C. lectularius e C. hemipterus. Nesse caso, quando se for fazer o controle dos percevejos domésticos, é importante localizar-se algum possível esconderijo de morcegos, fazendo-se o combate destes em conjunto.